‘Policial que não mata não é policial’, diz Bolsonaro

Deputado defendeu PMs que participaram da morte de 356 pessoas no Rio
Deputado Jair Bolsonaro defende policiais que causaram mortes no Rio – Marcos Alves / Agência O Globo

Pré-candidato a presidente da República, o deputado federal (PSC-RJ) defendeu, nesta segunda-feira, os 20 policiais militares com participação na morte de 356 pessoas no Rio, conforme revelado pelo GLOBO do domingo. Durante um evento de entrevistas promovido pela revista “Veja”, o parlamentar chegou a dizer que “policial que não mata não é policial”.

Bolsonaro indicou que caso eleito nomeará o economista Paulo Guedes como ministro da Fazenda. O deputado defendeu também a manutenção do foro privilegiado e que proprietários rurais tenham direito de portar fuzil para enfrentar movimento sem terra.

— Esses policiais têm que ser condecorados. Policial que não mata não é policial.

Em entrevista coletiva, o deputado disse que os policiais que participam de auto de resistência não deveriam ser nem sequer investigados.

Indagado sobre quem seria o seu ministro da Fazenda, em um eventual governo seu, o deputado citou o nome do economista Paulo Guedes.

Integrante do Instituto Millenium, Paulo Guedes tem PhD pela Universidade de Chicago, foi um dos quatro fundadores do Banco Pactual e também do grupo financeiro BR Investimentos.

Bolsonaro contou ter, nas conversas com o economista, fornecido os “ingredientes para que ele faça o bolo”. Entre esses ingredientes estariam a manutenção do tripé macroeconômico, a redução da dívida publica e o “equacionamento da questão dos servidores”

— Tivemos duas conversas. Não existe sequer um noivado. É um namoro porque, se houve um segundo (encontro), é que houve uma certa simpatia entre nós.

Em relação a outros ministério, Bolsonaro, que já afirmou que nomeará militares para compor seu gabinete, disse que as críticas a essa escolha são infundadas, já que durante os governos Lula e Dilma, segundo o deputado, havia ministros “guerrilheiros corruptos”. De acordo com Bolsonaro, seu ministro da Defesa será um militar.

— É inadmissível ter um ministro da Defesa civil — disse.

POR: SÉRGIO ROXO

 

Facebook
Twitter
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *