Weverton Rocha ganha o apoio do PSB e amplia base partidária do seu projeto de poder

Chico Leitoa, Weverton Rocha, Carlos Lupi, Carlos Siqueira e Luciano Leitoa acertam o apoio do PSB  à candidatura do senador ao Governo do Estado nas eleições de 22

O senador Weverton Rocha (PDT) ganhou ontem mais um reforço partidário ao seu projeto de candidatar-se à sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB). Depois de ampliar sua base com o DEM e o Republicanos – que a ele se aliou depois que o vice-governador Carlos Brandão deixou o partido para se filiar ao PSDB -, o pré-candidato pedetista recebeu o apoio do presidente do PSB, Luciano Leitoa, ex-prefeito de Timon. O posicionamento do presidente da legenda socialista foi formalizado em Brasília, na sede do partido, em ato do qual participaram o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, o senador Weverton Rocha, o ex-prefeito Luciano Leitoa, e o pai dele, ex-prefeito Chico Leitoa, que é filiado ao PDT. Chamou a atenção a ausência do deputado federal Bira do Pindaré, que é hoje o quadro mais importante do partido no Maranhão e preside o PSB de São Luís, e que tem mantido total alinhamento com o governador Flávio Dino.

Ao receber o apoio do PSB, o senador Weverton Rocha não apenas fortaleceu a base partidária que dará sustentação a sua candidatura ao Governo do Maranhão, que já conta também com o DEM e com o Republicanos, ganhando ainda peso e argumento para atrair outros partidos, o que lhe dará mais força política e mais instrumentos para sustentar candidatar o seu projeto de candidatura. O movimento do PSB é uma prova de que o pedetista está investindo pesado na construção de uma base partidária forte, de modo a se cacifar, já que a agremiação socialista elegeu seis prefeitos no ano passado, entre eles Dinair Veloso, de Timon, apoiada pelo presidente da agremiação, o ex-prefeito Luciano Leitoa. A isso somam-se a declaração de apoio da senadora Eliziane Gama e do Cidadania, vantagens que o partido dispõe no plano nacional.

Feitas as contas, a base partidária do senador Weverton Rocha agrega, em tese, 90 prefeitos, o que lhe dá muito gás na hora de sentar à mesa e discutir para valer quem será o candidato da aliança liderada pelo governador Flávio Dino.  Mas esse é um cenário que pode sofrer alterações, a começar pelo fato de que vários prefeitos hoje no Republicanos – como Fábio Gentil, prefeito de Caxias – poderão migrar para o PSDB, para aliar-se ao vice-governador Carlos Brandão. Mesmo assim, Weverton Rocha tem uma vantagem expressiva,

O apoio do PSB do Maranhão, avalizado pelo presidente nacional do partido, à pré-candidatura de Weverton Rocha, o presidente socialista foi cuidadoso, à medida que declarou também apoio à pré-candidatura do governador Flávio Dino ao Senado. Com a providência, o presidente Luciano Leitoa sinalizou claramente que governador, mesmo não sabendo ainda qual será o desfecho da avaliação a ser feita por Flávio Dino no final do ano, entre Weverton Rocha e Carlos Brandão, quando, conforme anunciou, apontará o pré-candidato que terá o seu apoio e do seu partido. A ampliação da base partidárias é uma das estratégias do senador Weverton Rocha para chegar no momento da decisão fortemente cacifado e em condições de reivindicar a vaga de candidato da aliança dinista.

Político já tarimbado nesse jogo, o senador Weverton Rocha sabe que esse mosaico de apoios partidários declarados é apenas parte dos instrumentos indispensáveis para o embate que se aproxima e que resultará na sucessão do governador Flávio Dino.

Via Repórter Tempo
Facebook
Twitter
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *