Grupos pró-renovação política devem lançar 500 candidatos

Entidades conversam com diferentes partidos para as eleições de outubro

Movimentos em busca de renovação política que pipocaram nos últimos meses preparam o lançamento de ao menos 500 candidatos para as eleições de outubro, por diferentes partidos.

A estimativa, feita pela Folha a partir de números fornecidos pelas organizações, inclui principalmente postulantes à Câmara dos Deputados e às Assembleias Legislativas. Mas também há quem mire Senado e governos estaduais.

O pelotão é puxado pela Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), que planeja apresentar 200 candidatos e eleger ao menos metade.

A entidade é considerada uma espécie de “embrião” do Agora!, do Acredito e do Brasil 21. Fundadores desses grupos já participaram da rede, criada pelo empresário Guilherme Leal, que foi vice de Marina Silva em 2010.

O RenovaBR (que dá bolsas e cursos para quem quiser se candidatar) já iniciou uma turma com cem pessoas e vai selecionar mais 50. Não são obrigadas a disputar a eleição, mas a maioria indica querer.

Integrantes de outras organizações, como Acredito, Brasil 21, Frente pela Renovação e Nós, também avaliam se tentarão a sorte no próximo pleito. Antes, muitos dos que miram as urnas precisarão se filiar a partidos, até 7 de abril.

A Raps, que mapeia e apoia lideranças com e sem mandato, se baseia em resultados de anos anteriores para prever uma taxa de sucesso entre 50% e 60% dos ligados ao movimento. A rede elegeu cinco dos 24 nomes lançados em 2014. Em 2016, 24 entre 72 concorrentes ganharam.

Com 300 inscritos no processo que vai selecionar nomes a serem apoiados, a Frente pela Renovação (ligada ao Vem pra Rua) evita estimativas de sucesso enquanto não concluir sua peneira.

Resultado de imagem para Miguel Nicacio cientista político

Miguel Nicacio, cientista político
 “O cenário é positivo para os movimentos, mas com muitos desafios”, diz Miguel Nicacio, cientista político e porta-voz da frente. “Há um anseio por candidatos honestos e que representem os eleitores. Só que competimos com quem tem a seu lado um fundo eleitoral de R$ 1,7 bilhão, a banda podre dos partidos.”

O Acredito, que pretende ter pelo menos um candidato a deputado federal e três a deputado estadual nos 12 Estados onde já tem representação, evita estabelecer meta para o número de eleitos.

O grupo, diz José Frederico Lyra Netto, um de seus fundadores, se importa mais em marcar posição na disputa eleitoral, mostrando “que é possível fazer política transparente e honesta, com base em ideias, e não em troca de favores”. Embora, obviamente, “ter algumas vitórias” seja bem-vindo, afirma ele.

Hoje identificado como um dos principais indutores da chamada renovação política, por ter o apresentador Luciano Huck como membro e garoto-propaganda, o Agora! adotou como princípio não ser um lançador de candidaturas.

O discurso do grupo é o de que integrantes têm liberdade para entrar na eleição, mas a decisão será individual. Pelo menos 15 participantes estariam dispostos a concorrer a vagas no Legislativo —8 deles entraram no RenovaBR.

Com meta modesta, o Nós —que apresentará dez candidaturas e espera que duas sejam bem-sucedidas—, diz se basear nos resultados de iniciativas semelhantes, como a Bancada Ativista, em São Paulo, e Somos Muitas, em Belo Horizonte. Em 2016, os coletivos elegeram vereadoras nas duas capitais pelo PSOL. “Há uma janela de oportunidade para experiências no campo progressista”, diz Marcelo Rocha, um dos líderes do Nós.

Tentando se registrar como partido, a Frente Favela Brasil prevê alcançar 57 candidatos (e eleger ao menos dez), por diferentes siglas. O MBL (Movimento Brasil Livre) deve lançar ao menos 15 candidatos.

A implosão da política tradicional pela Operação Lava Jato estimulou a proliferação de grupos suprapartidários que procuram influenciar o debate público –e, talvez, achar o nome de um candidato a presidente para chamar de seu em 2018.

Essas “start ups” políticas, geralmente com 50 ou 100 membros, têm em alguns casos apoio empresarial e a presença de poucas figuras com ligações partidárias. A maioria adota um discurso que flutua no espectro do liberalismo econômico e o autointitulado progressismo social.

Veja a seguir movimentos que buscam renovação da política e querem incentivar candidaturas.

Acredito

Liderado por jovens brasileiros que estudaram em Harvard, lançou manifesto em que defende “visão madura da economia de mercado” e critica polarização.

  • Algumas das propostas

– Política antiprivilégios;
– Redução das desigualdades;
– Congresso transparente, participativo e representativo;
– Campanhas baratas e propositivas;
– Valorização da cultura brasileira;

  • Membros em destaque

José Frederico,
Consultor e um dos líderes do movimento.

Tábata Pontes,
Formada em ciências políticas com curso secundário em astrofísica pela Universidade Harvard (EUA) e cofundadora do movimento.

*

Agora!

Formado por ativistas de diversas áreas e profissionais liberais.

  • Algumas das propostas

– Compromisso com interesse e serviço públicos;
– Respeito ao diálogo democrático, avesso à polarização e a extremismos;
– Foco no combate à desigualdade;
– Busca por soluções concretas para os desafios do país;
– Valorização da ética;

  • Membros em destaque

Rômulo Neves,
professor, jornalista e diplomata, participou do “Big Brother Brasil”, da TV Globo.

Ronaldo Lemos,
advogado e colunista da Folha.

Arquivo Pessoal
Ronaldo lemos
O advogado e colunista da Folha Ronaldo Lemos

*

Bancada Ativista

Mais identificada com o campo progressista, conseguiu no ano passado eleger em São Paulo a vereadora Sâmia Bomfim (PSOL).

  • Algumas das propostas

– Garantia e promoção dos direitos humanos;
– Cidade coletiva, humana, diversa, com os espaços públicos como protagonistas.;
– Combate às desigualdades sociais e econômicas;
– Abertura, transparência e participação como mecanismos de transformação política e forma de enfrentamento à corrupção;
– Defesa incondicional do Estado Democrático de Direito e do Estado Laico;

  • Candidatos que fizeram parte do movimento

Isa Penna (PSOL),
suplente de vereadora do PSOL em São Paulo.

Adriano Vizoni-28.set.2016/Folhapress
SAO PAULO - SP - BRASIL, 28-09-2016, 18h20: DEBATE - MULHERES NA POLITICA. Isa Penna, candidata a vereadora pelo PSOL apos o debate com outros candidatos na Escola Politecnica da USP. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress, MONICA BERGAMO) ***EXCLUSIVO FSP***
A vereadora do PSOL Isa Penna em São Paulo

Sâmia Bomfim (PSOL),
eleita vereadora em São Paulo.

Marina Helou (Rede),
candidata à vereadora em São Paulo.

Jessica Nolte/Divulgação
Marina Helou, pre-candidata da Rede a vereadora em Sao Paulo. Ela faz parte do movimento Bancada Ativista. E a primeira vez que concorre a eleicao
Marina Helou, que foi candidata da Rede para o cargo de vereadora em São Paulo

*

Brasil 21

Um dos movimentos surgidos nas Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), uma start up de organizações políticas.

  • Algumas das propostas

– Economia de mercado com justiça social;
– Políticas públicas baseadas em evidência, contexto e cultura;
– Estado efetivo, nem mínimo e nem máximo;
– Inovação tecnológica, sustentabilidade e resiliência;
– Coesão social por uma agenda comum;

  • Membros em destaque

Pedro Henrique Cristo,
arquiteto, empreendedor e pesquisador, é o principal líder desse movimento, um dos tantos surgidos no entorno da Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade).

Guilherme Leal,
A incubadora de “start ups” políticas é presidida pelo empresário da Natura, que foi vice de Marina Silva na eleição presidencial de 2010.

Daniel Marenco – 11.jun.2010/Folhapress
ORG XMIT: Staff SAO PAULO, SP, BRASIL, 11-06-2010, 14h00: Entrevista com o empresario Guilherme Leal. Guilherme e socio da Empresa Natura e concorre a vice com Marina Silva a presidencia da Republica. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress, BRASIL) ***EXCLUSIVO FOLHA*** 4915
O empresário Guilherme Leal, da Natura, em 2010

*

Frente pela Renovação

Recém-lançada, tem entre os fundadores o Vem pra Rua, movimento que convocou atos pelo impeachment de Dilma. Candidatos apoiados devem se comprometer com combate à corrupção.

  • Algumas das propostas

– Renovação política;
– Maior igualdade de oportunidade;
– Renovar o Congresso, ajudando a eleger o maior número possível de deputados federais senadores íntegros e comprometidos com uma agenda de renovação;
– Sociedade mais justa, íntegra, sustentável e democrática;
– Desenvolvimento econômico do país;

  • Membro em destaque

Rogerio Chequer
Embora o Frente pela Renovação seja composto por outros grupos, o principal é o Vem pra Rua, que teve como liderança o empresário Rogerio Chequer.

Eduardo Anizelli/Folhapress
SAO PAULO, SP, BRASIL, 26-03-2017, 14h00: Lider do movimento "Vem Pra Rua", Rogerio Chequer, durante manifestacao na avenida Paulista em Sao Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress, PODER)
O empresário Rogerio Chequer durante manifestação na avenida Paulista, em São Paulo

*

MBL (Movimento Brasil Livre)

Surgido em apoio ao liberalismo, o movimento se fortaleceu durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. O MBL também se organiza para lançar candidaturas em 2018, e um dos concorrentes deve ser Kim Kataguiri.

  • Algumas das propostas

– Apresentação do Projeto de Lei “Escola sem Partido” em legislativos estaduais e municipais;
– Adoção de um sistema de saúde similar ao alemão em substuição ao SUS: obrigatoriedade da contração de um plano de saúde e fornecimento de plano gratuito para aqueles que não puderem pagar por um;
– Revisão do pacto federativo, parlamentarismo, voto distrital misto, fim do voto obrigatório;
– Política de privatizações;
– Simplificação e corte de impostos;

  • Membros em destaque

Kim Kataguiri,
coordenador do MBL

Fernando Holiday
vereador em SP

*

RenovaBR

Organização que terá um fundo com doações para dar bolsas e financiar a formação de lideranças que queiram disputar eleições.

  • Algumas das propostas

– Combate irrestrito da corrupção;
– Gestão fiscal responsável;
– Políticas sociais que eliminem a desigualdade de acesso à educação básica, saúde e segurança de qualidade;
– Priorização do cidadão em detrimento da máquina pública;
– Gestão sustentável dos recursos naturais;

  • Membros em destaque

Eduardo Mufarej,
idealizador do movimento

Marlene Bergamo/Folhapress
PODER - Eduardo Mufarej e Izabella Mattar, fundadores do RenovaBR (fundo que apoiara novos candidatos em 2018),.28/11/2017 - Foto - Marlene Bergamo/Folhapress - 017 -
Cofundadores do RenovaBR, Izabella Mattar e Eduardo Mufarej falam sobre o projeto na sede do grupo

Izabella Mattar,
cofundadora do RenovaBR

Fonte: Folha de São Paulo

 

Facebook
Twitter
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *