Com paredão e projeções, novo museu faz visitante se sentir dentro de clube de reggae

Os ambientes reproduzem a cultura do ritmo (Foto: Orcenil Jr.)

Aberto para visitações de terça a domingo, das 10h às 20h, o Museu do Reggae do Maranhão, o primeiro do Brasil e o segundo do mundo, conta com uma área de 397 metros quadrados, com cinco salões que homenageiam antigos clubes de reggaes, famosos na década de 90. Tudo com as cores do reggae e recursos tecnológicos.

De forma cronológica, o visitante é guiado a uma sequência cultural da massa regueira. Em um primeiro ambiente do museu está disponível uma réplica do Clube Pop Som. É uma área com salão de aproximadamente 35 metros quadrados, móveis que imitam os paredões das radiolas, bar cenográfico e móvel com aparelhagem de som, dando aos visitantes a sensação de estar dentro de um clube de reggae.

Os visitantes fazem um passeio pela história do reggae. (Foto: Orcenil Jr.)

Os visitantes fazem um passeio pela história do reggae. (Foto: Orcenil Jr.)

Em um segundo espaço, no Clube do BF – nome dado em homenagem a um antigo reduto do Bairro de Fátima – há uma sala de exposição dos artistas, com fotos e discos, além de assuntos do cenário mundial. Este espaço conta ainda com equipamentos de projeção e recursos audiovisuais, por meio de uma linha do tempo, além de diversos manequins trajando a caráter a cultura da massa regueira.

Buscando as raízes na Jamaica, a sala de exposição mundial foi implantada de forma cronológica, formando uma linha do tempo, que conta onde começou o reggae e onde está hoje.

Famosos

O espaço homenageia grandes nomes do reggae (Foto: Orcenil Jr.)

O espaço homenageia grandes nomes do reggae (Foto: Orcenil Jr.)

Na sala 3, no Clube Toque de Amor, o espaço resgata o conteúdo sobre o reggae no Brasil e no Maranhão. E no Clube Espaço Aberto, o de número 4, a homenagem é direcionada aos regueiros famosos. Lá podem ser realizados festivais e encontros musicais com pequenos grupos de pessoas.

Dentro do pátio interno, foi instalada uma área de vivência com lanchonete e uma biblioteca virtual com computador, para que os frequentadores possam pesquisar e fazer trabalhos relacionados ao reggae. A estrutura conta ainda com uma sala de administração e dois banheiros.

O projeto arquitetônico do museu tem como principal função homenagear o maior ícone do reggae, Bob Marley, deixando um legado às próximas gerações. O artista foi o responsável por inserir o reggae e a Jamaica no mapa do mundo.

Abrigado no prédio de nº 124 da Rua da Estrela, no centro de São Luís, as obras de adequação para receber o Museu ocorreram na estrutura já existente. O projeto foi elaborado pela equipe da Superintendência do Patrimônio Cultural do Estado do Maranhão (SPC/SECTUR), coordenada pelo arquiteto e superintendente do órgão, Eduardo Longhi, em parceria com o diretor do Museu do Reggae, Ademar Danilo.

“Nós entramos com a parte de arquitetura e contemplamos o espaço com a melhor forma da ideia que o Ademar propôs, junto com o pensamento arquitetônico do museu, dando ênfase na parte cultural do reggae”, diz Longhi.

É o segundo Museu do Reggae em todo o mundo (Foto: Orcenil Jr.)

É o segundo Museu do Reggae em todo o mundo (Foto: Orcenil Jr.)
Facebook
Twitter
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *