HU-UFMA realiza técnica inédita no MA para transplante de córnea

Técnica consiste na substituição apenas das camadas posteriores danificadas

SÃO LUÍS – Na tarde da última sexta-feira (20), o Hospital Universitário da UFMA, por meio do Centro Oftalmológico, realizou uma técnica inovadora de transplante de córnea, configurando-se como o primeiro hospital do Maranhão a realizar esse tipo de cirurgia. Trata-se da técnica Ceratoplastia endotelial com desnudamento da Descemet (DSEK), que consiste na substituição apenas das camadas posteriores danificadas, nesse caso representadas pelo endotélio, pela membrana de descemet e um pouco do estroma, ao invés de substituir toda a espessura da córnea.

As cirurgias foram realizadas pelo oftalmologista convidado, Lauro Padilha, chefe do setor de córnea da Escola Paulista de Medicina e professor do Departamento de Oftalmologia da UNIFESP, que veio ao hospital com o objetivo de treinar a equipe. Participaram dos procedimentos, os cirurgiões especialistas em córnea e preceptores da residência em oftalmologia, Bonifácio Júnior e Roberta Jansen, esta última também responsável técnica do Banco de Olhos do HU-UFMA.

Foram realizadas duas cirurgias, ambas em pacientes do sexo masculino, um de 72 e outro de 66 anos, com o mesmo diagnóstico, ceratopatia bolhosa, enfermidade causada pelo edema da córnea decorrente da falha do endotélio corneano em manter o estado normal de desidratação da córnea. A córnea é um tecido transparente que fica na parte frontal do olho. Além de fina, a córnea também é um tecido resistente e por isto uma de suas funções é proteger a parte da frente do olho de agentes externos.

Os nove residentes da área acompanharam de perto a execução da técnica. O HU-UFMA é o maior centro formador de recursos humanos para a rede de saúde no Maranhão, e a formação desses profissionais está alicerçada em diretrizes que incorporam a atuação profissional às atividades integradas de assistência, ensino e pesquisa.

A técnica utilizada é minimamente invasiva e reduz a possibilidade de complicações no momento em que o globo ocular está aberto, tornando a cirurgia mais segura. O tempo de recuperação do paciente é bem mais rápido, apenas um mês se comparado com a técnica de transplante penetrante (remoção total da córnea), a mais utilizada em todo o Brasil, inclusive no HU-UFMA. Nesta última, se estima um tempo de recuperação inicial de três meses que se finaliza com 12 meses.

O oftalmologista do HU-UFMA, Bonifácio Júnior, reforça os benefícios dessa técnica. “Como não há necessidade de suturas, o grau se estabiliza de forma mais rápida, o processo é menos traumático para o paciente. A rejeição é menor por se tratar da remoção apenas das camadas danificadas”.

A médica Roberta Jansen acrescenta que, por se tratar de um transplante com incisão pequena, as chances de hipertensão intraocular que podem levar a perda do olho ou glaucoma diminuem. “Com essa técnica temos menos complicações intra-operatórios e pós-operatórios e o paciente tem uma recuperação mais precoce. A córnea é formada por cinco camadas, dependendo do diagnóstico do paciente é possível realizar o procedimento retirando apenas o que está comprometido e tentando preservar as demais partes. Essa capacitação é justamente para entendermos como essa técnica funciona”.

O oftalmologista da Escola Paulista de Medicina, Lauro Padilha, agradeceu a oportunidade de visitar a instituição, conhecer de perto o trabalho desenvolvido aqui e poder contribuir com o aprimoramento da equipe. “É um prazer poder difundir novas técnicas, principalmente por se tratar de um hospital escola, que tem muito forte o princípio da capacitação profissional. E claro, que com isso, os maiores beneficiados são os pacientes. ”

Fonte:IMIRANTE

Facebook
Twitter
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *